Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Mundo aos olhos da Joana

O Mundo aos olhos da Joana

Sab | 22.04.17

"Human" - Documentário #1

"Human" é um documentário que reúne vários testemunhos de pessoas de todo o mundo sobre situações das próprias vidas. Decidi ver este documentário porque me foi falado nele e me foi dito que mexe com quem o vê. 

E assim foi. O documentário está dividido em três partes. Só ainda vi a primeira parte e nesta primeira parte abordam-se temas como o amor, a condição da mulher no mundo, as relações de trabalho e a pobreza

É interessante como as pessoas têm diferentes visões sobre os diferentes temas. E mais interessante é tentarmos, nós mesmos, responder a estas questões depois de vermos o vídeo. 

Não vos vou dizer o que é dito no vídeo, pois considero muito mais interessante saberem o que é dito vendo o proprio vídeo, apenas vos digo que realmente isto muda a forma de vermos as coisas, a forma de pensar, a forma de ver o mundo. 

Depois de ver o vídeo coloquei as questões a mim própria, não há formas certas ou erradas de responder. Para mim:

 

O amor é...

Dídficil de definir. Considero que existem vários tipo de amor: O amor pelo marido/namorado, pela família, pelos amigos, pelos filhos, pelos animais de estimação... O amor é insistir, é desitir, chorar, sorrir, é abraçar, olhar, beijar. O amor é querer virar as costas, mas não o fazer, é saber que quem amas erra, tem defeitos e manias, mas continuas a querer bem, querer muito. O amor é saber que algumas pessoas já não existem, mas sentes saudades delas. E amor não é o mesmo que paixão, essa um dia acaba. Amor é muito mais que isso, é saber que as pessoas te marcaram, que deixaram algo delas em ti. Amar é também brincar, é chamar atenção,...amor é tudo. Quem nunca amou, quem não ama ninguém, então é alguém vazio. 

 

A condição da mulher no mundo...

Vivo num país que luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres, mas quando olho para outros países vejo que, comparativamente a eles, já se conseguiu muito. 

Não é difícil ser mulher em Portugal, temos voz, temos vontade, lutamos, vivemos num país livre e onde, felizmente, somos ouvidas. Ser mulher em outros países do mundo, é muito muito difícil, ou porque são vistas como meros objectos sexuais, ou porque sao vistas como inferiores, ou porque não podem tomar decisões sem pedir permissão. E qual a razão de assim ser? (Desculpem-me os homens que assim não pensam) A razão é simples, não haver maior competitividade para chegar ao poder. Tratá-las como inferiores é apenas uma forma de impedir que não haja tanta concorrência para chegar ao topo. E está de tal forma enraizado nas culturas, nas mentalidades que se torna realmente difícil alterar isso. Se formos analisar o que distingue o homem da mulher no mundo é apenas o género. O que condiciona tudo é o género. As mulheres são capazes de tudo o que os homens fazem, tal como os homens são capazes de fazer o mesmo que as mulheres. Ser mulher, é, muitas vezes ser-se discriminada.

 

As relações de trabalho...

Existem tantos tipo de trabalho... o escravizado, o doméstico, o que se faz com gosto, o que se faz apenas por dinheiro, enfim, existem vários tipos.

É claro que todos trabalhamos para garantir uma estabilidade monetária não só a nós mesmos (porque sim, somos consumistas e necessitamos de dinheiros para tal), mas também à nossa familia, mas eu trabalho não apenas por dinheiro, mas por felicidade, realização pessoal, porque gosto.

Infelizmente nem toda a gente gosta do trabalho que faz, mas fá-lo por necessidade. Para mim trabalhar deveria ser sinónimo de felicidade, deveria preencher-nos e fazer-nos felizes, afinal passamos a maior parte da nossa vida a fazê-lo. Depois há o trabalho doméstico (deixem-me dizer-vos que desse eu não gosto nada), é um trabalho que faço não por gosto, mas porque também não quero nem gosto de viver na imundice.

Vejo o trabalho como realização pessoal, como um desafio que quero ultrapassar com gosto e ao mesmo tempo ser recompensada (ok não falemos em valores porque estariamos aqui o dia todo) monetáriamente por isso.

 

A pobreza...

Um tema díficil de falar. Tal como o amor e o trabalho considero que existem vários tipos de pobreza: a pobreza física, que implica falta de dinheiro, e sem isso não temos o essencial para sobeviver.. comida, saúde, casa; e a pobreza de espírto. Porque podemos ter muito dinheiro nas contas bancárias, se não formos bondosos, se só tivermos o coração e a cabeça consumidos pela maldade, pela vingança, pela inveja então somos pobres de espírito. Não há dinheiro que traga amor, a bondade, o bem. Isso são coisas que já nascem connosco. E não há dinheiro nenhum que possa comprar. 

Nunca deixará de haver pobreza, tanto física como espiritual. E é o que mais me entristece. Primeiro porque todos deveriamos ter o mínimo para conseguir sobreviver, porque ninguém merece passar fome, não conseguir pagar medicação e tratamentos, ninguém merece não ter onde dormir. Segundo, os pobres de espírito apenas conseguirão fazer mal aos bons de espírito, porque é o que os faz feliz (e será que mesmo assim ficam felizes? Acredito que sim, mas a curto prazo, por esse mesmo motivo é que continuam a ser pobres de espírito.)

 

 

Bem, não consigo definir nenhum destes assuntos numa só palavra. É  a minha forma de ver as coisas, não significa que seja melhor ou pior que outras. São conceitos muito difíceis de definir, porque muito mais há para falar sobre eles. Hoje vejo estes assuntos desta forma, no futuro certamente irei ver de outra. 

 

E vocês? Come definem estes temas?

 

P.S. Vejam o filme, eu assim que conseguir verei os próximos.